“Às margens da cidade”, da Rádio UFSCar, por Rangel Fideles

Por Rangel Fideles do Nascimento

 (Créditos da foto: NaMargem)

Tava na mata pra que mandou me chamar?

Aqui não vejo nada pra me intimidar.

Cabra danado traz a faca na bainha, seu corpo é igual o meu e a sua vida é igual a minha.

(Cantiga popular para invocação dos compadres-exús)

Palavras como ‘gênero’, ‘candomblé’, ‘umbanda’ e ‘mundo do crime’ ao serem anunciadas podem remeter a lugares distantes e objetos acadêmicos inteiramente dissociados. Provocado por algumas dessas palavras, apresentei uma primeira formulação de meu projeto de mestrado na oportunidade do programa de rádio que fora gravado ainda no primeiro semestre de 2019. O momento atual de pandemia, em que as cifras de mortes se reforçam em periferias urbanas e suas populações tem colocado questões para a atuação de cientistas sociais. Nessa esteira, apresento minha trajetória de pesquisa iniciada ainda na graduação (2015-2018) quando comecei a acompanhar o intercruzamento entre como experiências sobre pobreza, baixa reputação moral, violência se cruzavam com dissidências de gênero e sexualidade na periferia urbana da cidade de Maceió.

Nesse primeiro momento, finquei meus pés no terreno dominado por entidades conhecidas como pomba-giras e as tensões envolvendo sua incorporação/feitos em corpos dissidentes de gênero/sexualidade em periferias urbanas maceioenses. E de outro modo, como a incorporação liga-se a produção de corpos, saberes e formas de invenção de vida. Ao fim deste ciclo, os referenciais sobre valor das pessoas com base em papéis de gênero parecia estar em profunda transformação com a ação de novas formas de regulação e léxico das vidas em periferias urbanas, a exemplo de deslocamentos na atuação de coletivos criminais e novos modelos na ritualística em terreiros que vinha acompanhando desde 2015.

Com parte dessas preocupações, atualmente no mestrado (2019-2021), tenho estado interessado sobre como a incorporação de entidades em corpos dissidentes e envolvimentos amoroso-sexuais com homens cis heterrossexuais envolvidos em dinâmicas criminais configuram uma rede relacional estruturada a partir da intersecção entre aspectos como estilos de gênero, estilos criminais e estilos religiosos. Desse modo, a possibilidade de circulação de mercadorias lícitas e ilícitas é vista como ligada diretamente ao papel desempenhado por concepções sobre gênero e sexualidade intercruzadas com estilos criminais e estilos religiosos usados como referenciais pelos sujeitos.

O programa “Às Margens da cidade”, da Rádio UFSCar, 95,3 FM, vai ao ar todas as segundas às 22h, pra São Carlos e região ou de qualquer lugar com acesso a Internet. O programa, que é um projeto de extensão do NaMargem – Núcleo de Pesquisas Urbanas, discute semanalmente o conflito urbano contemporâneo a partir de músicas das periferias urbanas brasileiras e estrangeiras. A gravação com Rangel, que foi ao ar no dia 13/05, pode ser encontrada clicando aqui.